Login | RegistoBem-vindo à Quero Saber - A revista que desperta a sua mente 
Terra IncrívelTerra IncrívelTerra Incrível
Ciência
Ciência

Relva é utilizada para criar preservativos superfinos e resistentes

fev11
Ciência

  • 1 | 6
  • 2 | 6
  • 3 | 6

    Nasim Amiralian, uma das investigadoras.

  • 4 | 6
  • 5 | 6

    Um exemplo da planta de onde foi extraída a nanocelulose.

  • 6 | 6

    O fabrico de luvas pode ser também uma possbilidade.

Uma equipa de investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, diz ter conseguido criar um preservativo mais fino e resistente do que os convencionais, recorrendo a nanocelulose de uma erva australiana para fortalecer o latex.

Com este método, os cientistas conseguiram criar preservativos "tão finos quanto um cabelo humano," sem perder a sua resistência. E com um pouco mais de trabalho, podem até ser ainda mais finos. 

Os cientistas utilizaram uma planta do género Spinifex, que cresce em sítios remotos da Austrália. A erva foi transformada numa polpa, e a nanocelulose extraída no processo. Estas novas fibras foram depois adicionadas ao latex, como se tratasse de uma nova camada que reforça a sua durabilidade.

"O melhor na nanocelulose é que é um aditivo flexível, por isso conseguimos criar membranas mais finas e que sejam flexíveis," explica Darren Martin. O que significa que, adicionando estas fibras é possível utilizar menos latex no fabrico de preservativos, mantendo a sua resistência e diminuindo o custo de fabrico.

Mas os preservativos não são a sua única funcionalidade; Martin explica que em luvas de latex no ramo da cirurgia pode também ser uma vantagem: "é possível criar luvas tão fortes como as de latex mas mais finas, dando mais sensibilidade e menos fadiga aos utilizadores, como cirurgiões."

No campo da saúde, a ser bem-sucedido, este método traz várias vantagens, já que existe ainda alguma relutância em utilizar preservativos porque não são naturais o suficiente. No entanto, continuam a ser a forma mais eficaz de combater doenças sexualmente transmissíveis.

Mais do que isso, a equipa acredita que possa ser uma oportunidade de crescimento económico, não só para os fabricantes de latex, mas também para o cultivo desta planta. 

Imagens: Universidade de Queensland.

Siga as notícias que despertam a sua mente no nosso FACEBOOK.

Compre aqui e leia no seu computador ou tablet a edição deste mês da revista Quero Saber.

ComentáriosComentários

Precisa de fazer Login ou Registo para comentar.
Sobre nós | Publicidade | Contactos | Termos de Utilização | Política de PrivacidadeCopyright © Goody SA - Todos os direitos reservados